Mitos e verdades sobre o ronco

Clipping 19-04-11
site bonde.com.br
Queixo pequeno, língua grande e pescoço curto são algumas características que podem levar uma pessoa a roncar. Esse distúrbio do sono não indica necessariamente que a pessoa enfrenta um problema de saúde. No entanto, se ficar sem tratamento ou acompanhamento médico, a pessoa corre o risco de, no futuro, desenvolver algum problema de saúde.

As pessoas roncam quando suas vias respiratórias ficam menores. Esse estreitamento da passagem do ar é explicado por diversos fatores, como obesidade, envelhecimento e flacidez dos tecidos da garganta.

Mas problemas craniofaciais também levam a esse problema, como desvio de septo (estrutura que separa as duas narinas), o tamanho e o formato da língua, a posição da mandíbula, entre outros.

Com um espaço menor para passar, o ar acaba circulando com mais dificuldade, produzindo o som que é chamado de ronco.

Confira baixo os mitos e as verdades sobre o ronco:

Confira abaixo os mitos e verdades sobre o ronco

1) O ronco é uma doença?

Mito. O ronco por si só não causa nenhum dano à saúde, além do barulho. Mas o ronco pode, em alguns casos, causar fragmentação do sono ou ainda vir acompanhado de apneia do sono. Nessa situação, a pessoa já está enfrentando problemas de saúde e precisa procurar um especialista.

Quando o paciente só ronca, algumas medidas comportamentais já são suficientes, como atividades físicas e perda de peso, diz Fernanda. Mas quem ronca pelo menos quatro vezes por semana precisa investigar as causas do problema.

- A pessoa com ronco pode não se tratar, mas tem que ter acompanhamento [médico] ao longo dos anos.

2) A apneia do sono é uma consequência do ronco?

Mito. A apneia não é uma consequência direta do ronco. Há pessoas que apenas roncam, outros que têm somente a apneia e há também quem sofra dos dois problemas.

No entanto, Fernanda explica que o ronco pode se transformar em apneia do sono por causa do envelhecimento da pessoa.

- O ronco é um problema evolutivo. Uma pessoa que ronca por 20 anos e não se trata pode vir a ter apneia.

3) O ronco afeta mais quem dorme de barriga para cima?

Verdade. Ao dormir de barriga para cima, a língua pode cair para trás e dificultar a passagem do ar pela faringe. Com um espaço mais reduzido, o ar passa de forma mais rápida, causando o ronco. Se a língua da pessoa for muito grande, a passagem de ar pode ser totalmente obstruída, o que causa a apneia do sono.

Especialistas alertam, no entanto, que a pessoa pode roncar em qualquer posição.

4) A forma do pescoço e da língua pode causar ronco?

Verdade. O ronco e a apneia do sono podem ser causados por diversas razões, entre eles problemas craniofaciais, como tamanho e posição da língua, formato da mandíbula, flacidez dos músculos da garganta e gordura na região do pescoço.

5) O ronco indica que a pessoa teve sono profundo?

Esse é um dos maiores mitos sobre o sono. Apesar de o ronco não ser um problema de saúde, a pessoa pode ser despertada pelo próprio ronco. Assim, a pessoa não descansa e acaba acordando com sono e indisposta.

6) O ronca afeta mais os idosos?

Verdade. Com o envelhecimento, os músculos da faringe e da laringe ficam mais flácidos, o que favorece o estreitamento da passagem de ar. É por isso que pessoas acima de 60 anos estão mais suscetíveis ao ronco e a distúrbios respiratórios.

7) O ronco afeta mais os homens obesos?

Verdade. A obesidade é um fator de risco para o ronco e a apneia do sono, principalmente entre os homens. Isso porque, enquanto as mulheres engordam mais da cintura para baixo, eles acabam ganhando mais peso da cintura para cima, em áreas como o pescoço. Com mais gordura na região cervical, diminui o espaço para a passagem de ar dentro da garganta, o que pode levar ao ronco.

8) Chacoalhar faz a pessoa parar de roncar?

Não necessariamente. Quando você chacoalha a pessoa que está roncando, ela pode até parar de roncar porque muda o padrão respiratório. Mas isso acontece só por algum tempo e a pessoa volta a roncar. Além disso, ao ser chacoalhada, a pessoa fica com o sono mais superficial, podendo até acordar, o que causa mais danos ainda.

Procurar artigos publicados