Grupo pró-cotas comemora aprovação das cotas raciais

Após quase um ano de debates sobre a necessidade das cotas raciais na Universidade Estadual de Maringá (UEM), o Conselho de Ensino e Pesquisa da UEM aprovou ontem (20), Dia da Consciência Negra, a implementação de 20% das vagas dos vestibulares para pessoas negras. O resultado veio durante a reunião do CEP realizada no Campus. A votação terminou em noventa e oito votos favoráveis, quatro contrários e sete abstenções. O momento foi marcado por tensão e muita emoção.

O grupo pró-cotas, formado por professores negros e não negros para discutir o tema com seus pares na universidade, comemorou a decisão. "A UEM teve uma atitude histórica com a aprovação das cotas, pois essa decisão marcará nossa. Trata-se de uma vitória coletiva. Estamos muito felizes". 

Agora a UEM passa a ter dois sistemas de cotas: a racial e a social. Serão 20% sobre os 80% de vagas valendo a partir do próximo vestibular. Do total de vagas de cada curso, 20% serão para cotas sociais e 20% para as raciais. O restante para ampla concorrência.

 

 

 

Procurar artigos publicados