Participações em Ato contra feminicídio emocionam amigos e familiares de Magó

No último sábado (1º), centenas de pessoas se reuniram no centro de Maringá, à tarde, em um Ato de repúdio ao feminicídio.

O evento foi para lembrar a morte da bailarina Maria Glória Poltronieri Borges e também de outras mulheres que foram violentadas no noroeste do Paraná. A manifestação atraiu cerca de 5 mil pessoas.

A abertura do ato foi marcada por muita emoção, seja pelas mensagens dos amigos e familiares, seja pela capoieira apresentada pelo próprio grupo de Magó, que quantas vezes deve ter estado junto. A manifestação surpreendeu até mesmo o pai da bailarina, Maurício Borges. “Quando cheguei aqui e vi essa quantidade de pessoas, eu me emocionei. Minha filha era muito mais amada e especial que já sabia”.

A caminhada simbolizou uma celebração pela vida de Maria da Glória e de cada mulher que resiste até o fim, seguindo em frente e lutando contra todo tipo de maldade praticada contra as mulheres.

Durante os discursos, ao longo da caminhada, a Presidente do Fórum Maringaense de Mulheres, Valquíria Francisco, cobrou a urgência de políticas públicas em defesa da mulher, para que nenhuma mais seja assassinada.

Maria da Glória era bailarina, estudante e professora de dança. Ela amava e defendia a cultura brasileira. Deixou um legado de amor, respeito e esperança em dias melhores. Magó continua viva entre nós.  

Procurar artigos publicados